Destaque do Mês – Outubro

A IGREJA CATÓLICA NA CHINA E EM MACAU
No Contexto do Sudeste Asiático
Que Futuro?
de António Duarte de Almeida e Carmo

5-Igreja-cat-antonioCarmo«A IGREJA CATÓLICA NA CHINA E EM MACAU No Contexto do Sudeste Asiático Que Futuro? »- Prémio IPOR (1995) – , é uma edição conjunta da Fundação Macau (FM), Instituto Cultural (IC) e do Instituto Português do Oriente (IPOR), com o apoio da Fundação Oriente (FO).
Partindo do estudo da situação da Igreja Católica, em Macau, “e pondo em relevo as características e linhas de força que podem fazer de Macau uma «ponte» cultural  entre a Nação Chinesa e o Ocidente – como refere o autor logo no prefácio – , e da sua diocese uma «ponte» entre a Igreja Católica da China e a Igreja Universal”, tendo como base de trabalho a Antropologia das Religiões.
António Carmo desde logo se apercebeu que, “ao centrar as atenções apenas em Macau, nas vésperas da sua integração na grande Nação Chinesa, me arriscava a desfocar completamente os problemas, tanto mais que o meu objectivo não era apenas o de retratar o presente mas, sobretudo, perspectivar o futuro.Não faria sentido construir cenários sem um conhecimento, tão aprofundado quanto possível, da situação da Igreja Católica na China”
Falar da China nem sempre é fácil. Sobretudo  quando esse país – de duplos contrastes – vive durante anos,  fechado, isolado, isso implica estudo e conhecimento por um lado e, astúcia e destreza intelectual por outro. O estudo não ficaria completo, sem uma abordagem aos países, “que constituem este anel disposto em torno do mar da China”, até porque considera o autor, é uma “zona geostratégica do Sudeste Asiático, onde vivem cerca de 35 milhões de chineses «ultramarinos»(hua chiao)”.

«A Igreja Católica na China em em Macau, no contexto do Sudeste Asiático – Que futuro?», é uma obra de grande fôlego – são quase 1000 páginas – , ao longo das quais António Carmo,com uma linguagem simples e transparente,  dá um sinal aberto de como a Igreja Católica Chinesa, num futuro próximo pode desempenhar, “como ponte de entendimento entre a China e o resto do Mundo”. Este diálogo deve ser desenvolvido, “com seriedade e respeito, sem arrogâncias despropositadas nem concessões irreflectidas, abre caminho para a Paz entre povos, pela via da compreensão e da amizade”.

 

António Duarte de Almeida e Carmo nasceu em Moçamedes, Angola, em 1936.
Em 1965, terminou a licenciatura em Ciências Políticas e Sociais, apresentando como dissertação o trabalho «O Povo Mambai – contribuição para o estudo do povo do grupo linguístico Mambai- Timor».
Em 1996, doutorou-se em Ciências Sociais (Antroplogia Cultural),pelo Instituto Superior da Universidade Técnica de Lisboa, com o estudo « A Igreja Católica da China e em Macau No Contexto do Sudeste Asiático que Futuro?».
Viajante do mundo português, António Carmo nasceu em Angola e, viveu em Portugal, Índia(Goa), Timor e Macau.
Tem dezenas de títulos publicados, com destaque para as áreas da pedagogia, socorrismo e catalocismo.
«Manual de Socorrismo Elementar (1978)»;«Pedagogia para Cursos Intensivos (1986)»; «O João viu e acreditou…(1990)»; «A Longa Marcha das Religiões na China (1994)».
Faleceu em Lisboa, Portugal, em 2003, aos 67 anos.

bursa escort bursa escort bayan istanbul escort mobil porno izle şişli escort escort bayan izmit temp mail sıra bulucu şişli escort anadolu yakası escort ümraniye escort ataşehir escort kartal escort bursa escort escort bursa escort bayan görükle escort eve gelen escort casino siteleri canlı bahis siteleri temp email beylikdüzü escort izmir escort porno izle